CardiologistaSão vários os fatores de risco para doenças cardíacas e são classificados como imutáveis e mutáveis. -

Fatores de Risco Imutáveis

Herança Genética: pessoas que possuem um histórico familiar de doenças cardíacas, estão muito propensas a desenvolvê-las.

Idade: o aumento da idade se associa a muitas mudanças no organismo que influenciam nos fatores de risco. A maioria dos casos ocorre com pessoa acima de 65 anos; mas, para os homens, o risco começa a partir dos 45 anos, e, para as mulheres, 55 anos.

Sexo: Os homens possuem mais chances de ter doenças cardíacas e, principalmente, o ataque cardíaco. 

Fatores de Risco Mutáveis

Colesterol elevado: Quanto maior for o nível de colesterol (LDL) no sangue, maior é o risco, pois contribuem para o entupimento das artérias, veias e vasos, um dos fatores que mais contribuem para as doenças cardíacas.

Pressão arterial alta: A pressão arterial é uma tensão gerada na parede das artérias, e o coração precisa realizar um trabalho maior quando a pressão está elevada. Com o tempo esse procedimento vai hipertrofiando o músculo cardíaco, que se dilata e fica mais fraco conforme o tempo.

Obesidade: a obesidade faz com que haja um esforço maior do coração, o nível de colesterol aumenta, a pressão arterial também, correndo o risco de ter trombose pelo longo tempo de imobilidade e pelos altos níveis de homocistina no sangue.

Sedentarismo: provoca o desuso regular dos sistemas funcionais; os órgãos entram em um processo de regressão funcional. As chances de se adquirir a obesidade, hipertensão, diabetes, colesterol alto, é Tabagismomuito alto para quem não pratica atividades físicas. Tabagismo.

Fumo: a nicotina aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, atua na elevação do colesterol e provoca o aumento da coagubilidade do sangue. O risco de um fumante ter uma doença cardíaca é duas vezes maior do que um fumante passivo (não fumante), sem contar que, gestantes com histórico de fumantes correm o risco de terem filhos com doença cardíaca congênita.

Diabetes: é um nível elevado de glicose no sangue que agride as artérias que levam o sangue até o coração. Quando muito agredidas provocam as doenças cardíacas. A diabetes também contribui para o agravamento da hipertensão e do colesterol alto.

Alcoolismo: grandes quantidades de álcool provocam lesões no coração, sendo o ponto de partida de muitas doenças cardíacas. Provoca inúmeros problemas, não só cardíacos: arritmias, AVC, tromboses, câncer, amnésia, inflamações no fígado, esôfago, estômago, entre outros.

Estresse: é um grande meio para obter altos níveis de pressão arterial, afeta o sistema nervoso, e também, como consequência, influência na má alimentação, no uso de álcool e tabaco.

Anticoncepcionais orais: para mulheres que já possuem um diagnóstico de hipertensão e diabetes, ou fumantes, o uso dos anticoncepcionais orais pode ser um risco ainda maior para doenças cardíacas.